Confusão trilingüe


Quando eu cheguei aqui, em maio de 2016, o meu inglês era o básico que eu aprendi na escola, quase 15 anos atrás, única e exclusivamente porque tive a oportunidade de estudar em uma escola particular no Brasil - o que pode (e deve), sim, ser considerado como um privilégio e pelo qual eu agradeço imensamente aos meus pais.


No entanto, para me inscrever no mestrado eu precisava de um teste de proficiência e me deparei com o gosto amargo da reprovação. Eles exigiam um mínimo de 81 pontos no TOEFL, e nesta minha primeira tentativa eu fiz 73.


Porém eu não sou bem o tipo que desiste fácil e uma vez que tinha ainda 3 meses até o prazo final de entrega de todos os documentos na Universidade - incluindo a nota de inglês - me dediquei o máximo possível e 10 semanas depois realizei a prova novamente. Fiz 97 pontos no TOEFL e estava finalmente aprovada para iniciar o mestrado.


Mãe é mãe e o português vai sempre ser a minha língua materna, mas com o tempo, o inglês acabou se tornando minha "língua padrão" e para se ter uma ideia 90% das vezes que uso o "google translator", uso inglês - holandês ao invés de português - holandês.


Eu sempre quis aprender Holandês e este era/é um dos meus principais objetivos desde que cheguei. Há, de fato, muita gente que mora aqui há anos e não fala o idioma simplesmente porque não precisa. Todo mundo fala inglês muito bem, e, orgulhosos, Holandeses estão sempre dispostos a "switch to english" quando o interlocutor não é nativo.


Enfim, eu particularmente não consigo entender como alguém decide viver em um país e simplesmente não se esforça nem um pouco para se adaptar à cultura local. Na minha cabeça, se você não está disposto a se dedicar um pouco que seja para se adaptar, não vá. Mas esta é só a minha opinião e não necessariamente uma verdade absoluta...!


Enfim, cá estou eu aprendendo holandês e esta é agora a minha língua mais falada. Eu diria que atualmente eu penso e falo 60% em holandês, 30% em inglês e 10% em português. Para se ter uma idéia, hoje respondi a um e-mail do meu pai e alguns minutos depois tive que checar para lembrar em que idioma eu havia escrito: automaticamente o fiz em holandês.


Dizem que estou indo bem. Já li e conheço todos os personagens infantis e cometo gafes todos os dias. Tenho quase certeza que já sonho em holandês todas as noites, o meu sobrenome já sai melhor que a encomenda e ninguém nunca me pediu para soletrar-lo. O do Bas ou o nome da nossa rua, no entanto, ainda não sai. Além disso, não posso, de jeito nenhum perguntar sobre aluguéis - pois com a minha pronúncia parece que estou procurando uma puta!!! ("Para alugar: te huur". "Puta: hoer")


Recent Posts

See All

E agora?

Há tempos venho pensando em escrever um texto em português. Chegou a hora: Agora que o blog está censurado, esse espaço volta a ser principalmente meu e o filtro, portanto, menos rigoroso. Sempre escr

Zelf(ver)standig woorden

Zelfstandige naamwoorden zijn woorden die ‘een zelfstandigheid’ aanduiden. Dat kunnen concrete zaken zijn als mensen (man, Anneke), dieren (paard) en dingen (huis, hout). Maar het kunnen ook plaatsen